Skip to main content

5 dicas da campeã Ana Polegatch de onde treinar ciclismo de estrada

Por 24 de janeiro de 2023Notícias
COMPARTILHE:

Aliança Bike pediu a atual campeã brasileira de contra-relógio, Ana Polegatch dicas de treinos para os apaixonados por ciclismo de estrada

Completando 20 anos de competições ciclísticas, Ana Polegatch atualmente empunha o título de campeã brasileira de contra-relógio, mas na estante tem vários outros, inclusive o de ciclismo de estrada de 2021. Suas pedaladas começaram em Guarapuava (PR), no mountain bike, modalidade em que venceu sua primeira prova. “No MTB você não tem medo”, diz Pole sobre o destemor em enfrentar os desafios que o esporte lhe colocou pela frente.

A partir de 2006, o ciclismo de estrada passou a fazer parte da vida de Ana Polegatch, e quatro anos depois o ciclismo de estrada se tornou prioridade, com treinos mais puxados e dedicação total às competições. Dividindo o tempo com o trabalho e a faculdade de Letras, em 2011 Pole resolveu só pedalar, entrando, inclusive, para uma equipe profissional. A bicicleta ganhou exclusividade até 2021, quando ela voltou ao mercado, agora com sua própria assessoria ciclística – modalidade de negócio que acompanha e prepara treino para diferentes perfis de ciclistas.

Pedimos a Ana Polegatch dicas de lugares para treinos de ciclismo de estrada, confira:

CAMPOS DO JORDÃO (SP)

“Minha primeira dica é a região toda de Campos do Jordão. É o meu lugar preferido hoje, no Brasil, para treinar. Eu morava em São Paulo e me mudei para cá só para treinar. Tem um plano de 30 km para fazer o trabalho de força, sprint, passada, e tem a serra de Campos, que são 20 km. Nessa região, também pode pegar outras entradinhas, tem a subida do Turiba, Renópolis, a serra Velha, e indo um pouco mais para o outro lado tem a serra de Monteiro Lobato, a parte de rampas nos Melos, as subidas do Itapeva, que exigem mais potência, então você treina várias capacidades. Eu saio da minha casa e faço toda essa volta, um treino de cinco a seis horas, tranquilamente sozinha, não tem perigos.”

SERRA DO RIO DO RASTRO (SC)

“Outro lugar que eu gosto bastante de treinar, de onde tenho marca de tombo da subida até hoje, é a serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina. Exige um planejamento para ir, mas é um lugar mágico, lindo e desafiador. E lá na região também tem outras serras como o morro do Corvo Branco, o morro da Igreja, que também é uma subida com várias rampinhas. A viagem para lá é maravilhosa, não é caro para ir, tipo padarias, restaurantes, se quiser gastar pouco você gasta.”

RIO DE JANEIRO (RJ)

“Rio de Janeiro é um lugar que vale a pena conhecer. Sempre evitar pedalar sozinho, a gente sempre foi em grupo, com outras pessoas. Não sei como está lá agora a questão da segurança, mas o Rio é lindo. A parte da Barra, Prainha, Grumari, aí tem a subida do Cristo, é maravilhoso pedalar no Rio de Janeiro. Tem várias subidas muito legais como a da Grota, a subida dos Cabritos, é um lugar muito especial.”

CUNHA-PARATY (RJ)

“Outra região muito legal é a estrada Cunha-Paraty, e ali, se você pega um pouquinho para o lado, tem a região de Cunha-Campos Novos, que era o percurso do L’étape, que é muito legal também. É uma estrada boa para treinar técnica porque tem várias curvinhas, rampas, descidas, você melhora muito suas habilidades de pilotagem da bike, e é relativamente perto de São Paulo e do Rio. É um lugar que eu tenho ido, e este ano o L’étape deve voltar para lá, então vale a pena conhecer.”

BENTO GONÇALVES (RS)

“E por último, um lugar que eu ainda não visitei, mas pretendo visitar este ano, que é Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul. Ela é muito famosa pelas vinícolas e coisas relacionadas ao frio, mas recentemente o GranFondo Nova York-Brasil foi para lá e as pessoas me falaram tanto que as estradas são maravilhosas que quero conhecer. Recebi vários elogios tanto da estrada quanto do lugar em si, das coisas para fazer lá. O percurso é bem duro, tem bastante subida, serras, então acho que, além de desafiador, as paisagens são lindas. Esse é o meu próximo destino no Brasil.”

Aliança Bike

Criada em 2003 e formalizada em 2009, a Aliança Bike tem como missão principal fortalecer a economia da bicicleta, além de trabalhar para que mais pessoas pedalem no Brasil. A entidade atua em diversas frentes de trabalho para atingir os objetivos. Conta com mais de 180 associados entre fabricantes, montadores, importadores, distribuidores e lojistas.

Envie sua mensagem