Skip to main content

Primeira ciclofaixa de Antonina, no Paraná, registra aumento de 30% nas viagens diárias

Por 16 de dezembro de 2022Cicloturismo, Mobilidade, Notícias
COMPARTILHE:

A estrutura, implantada em maio deste ano, além de atrair mais ciclistas abriu caminho para mais uma série de investimentos em políticas cicloviárias

Conhecida como a “Cidade das Bicicletas”, Antonina, no litoral do Paraná, teve a sua primeira ciclofaixa inaugurada em maio deste ano. No município, que tem pouco mais de 19 mil habitantes, 29% da população tem na bicicleta seu principal meio de transporte.

A estrutura foi implantada na avenida Thiago Peixoto, que é a via mais movimentada do município e o único acesso rodoviário para quem vem de outras cidades. A ciclofaixa de mão dupla tem 1,6 km de extensão e conta com sinalização de trânsito e paraciclos ao longo do percurso.

É sabido que quando se cria a estrutura, os ciclistas aparecem. E, no caso de Antonina, os números comprovam a tese. Foram realizadas duas contagens de ciclistas, uma em julho e outra em novembro, que registraram um aumento de 30% no número de viagens. As aferições, realizadas pela Eco Counter, foram feitas por meio de monitoramento automático 24 horas por dia.

Na primeira, entre os dias 13 e 20 de julho de 2022, aferiu-se uma média diária de 1.726 viagens em dias de semana e 1.354 viagens nos finais de semana, com o maior fluxo da semana na terça-feira e no sábado, o do final de semana. Entre os dias 16 a 24 de novembro, a média diária de viagens em dias de semana subiu para 2.172 e 1.753 nos finais de semana, com o maior fluxo da semana na quinta-feira e no sábado, o do final de semana.

A estrutura é o resultado de uma emenda parlamentar do programa Paraná Mais Cidades, apresentada pelo deputado Goura Nataraj, que garantiu o recurso no valor de R$ 165.561,92 para a realização da obra. Segundo David Couto, assessor do deputado, membro do programa CicloVida-UFPR e morador de Antonina, o processo começou em 2018 e teve a participação da população, ativistas e pesquisadores junto ao poder público.

Segundo David, o livro “O Brasil que pedala: a cultura da bicicleta nas cidades pequenas”, organizado e editado pela Parceria Editorial, da qual a Aliança Bike faz parte, foi o grande propulsor desse processo. Na obra há um capítulo dedicado a Antonina. “O livro trouxe técnicos, pesquisa e iniciou a discussão que se concretizou nesta estrutura”, diz ele. Para baixar o livro, basta clicar neste LINK

Os avanços cicloviários não param por aí. Segundo David, o município obteve, junto ao governo do Estado, uma verba de R$ 800 mil para a ser investida no plano cicloviário. A ciclofaixa recém inaugurada será ampliada em mais dois quilômetros. Além disso, haverá sinalização específica sobre a presença de ciclistas na rodovia Engenheira Enedina Alves Marques, que não possui acostamento. O projeto também prevê redução de velocidade em vários trechos.

A rodovia, segundo David, é utilizada por muitos ciclistas durante a semana para o deslocamento ao trabalho e, nos finais de semana, por atletas e cicloturistas. O mesmo trecho também será o primeiro a receber sinalização da Rota Caiçara, uma trilha de cicloturismo que vai ligar sete municípios num total de 430 quilômetros.

Além disso, a cidade também vai comprar um contador eletrônico para ser instalado no trevo da entrada da cidade, aferindo de maneira permanente as viagens dos trabalhadores, cicloturistas e atletas. A previsão é que todos estes projetos comecem a ser implantados no primeiro semestre de 2023.

E assim, a bela Antonia vai seguir sendo a Cidade das Bicicletas!

Adriana Marmo

Sou jornalista, formada em Comunicação Social com habilitação em jornalismo na PUC de Campinas, conclusão em 1989. Há oito anos troquei o carro pela bicicleta como meio de transporte e, desde então, sou ativista da causa e me especializei em mobilidade urbana