Skip to main content

Fundação Florestal e Aliança Bike atuam em conjunto para a reabertura da Estrada do Rio Pardo

Por 9 de abril de 2022abril 11th, 2022Cicloturismo, Notícias
COMPARTILHE:

A rota conhecida como Trilha da Petrobras é um mergulho na Mata Atlântica e pode ser modelo de cooperação para novas rotas em São Paulo. A Portaria Normativa FF/DE nº 349/2022 prevê período de teste com isenção de cobrança dos ingressos.

Um cenário exuberante, dentro da Serra do Mar e utilizado há décadas pela Petrobras como via de servidão reabre para cicloturistas e caminhantes. São 41 quilômetros, entre os municípios de Salesópolis a Caraguatatuba e nas dependências do Parque Estadual da Serra do Mar, núcleo Padre Dória.

Em 2020, uma parte da trilha cedeu devido às chuvas intensas, o que obrigou a Fundação Floresta a fechar o acesso para visitantes. Desde o começo do ano, a Aliança Bike tem auxiliado a Fundação Florestal a entender as demandas para reabertura, manutenção e melhoria da trilha, o que acontece neste sábado, 9 de abril, com a publicação da Portaria Normativa FF/DE nº 349/2022 (VER AQUI).

Além de diversas reuniões, no último mês de março um grupo bastante heterogêneo de ciclistas, com idades e perfis variados, foi convidado a pedalar no circuito para uma visita técnica.

“A ideia foi testar o circuito depois desses dois anos fechado, perceber os pontos fortes e os que ainda precisam melhorar”, comentou Daniel Guth, Diretor Executivo da Aliança Bike.

Trata-se de um roteiro intermediário, mas que vale cada centímetro ganho na altimetria total de cerca de 1.500 metros. A trilha na verdade já é utilizada há muitas décadas pelos ciclistas e há relatos de eventos de MTB e turismo de aventura nos anos 80 e 90. “Eram bikes 26, sem suspensão, só tinha garfo de de cromo, mas o maior desafio era o resgate e por isso muitas pessoas não participavam”, relatou Daniel Aliperti à jornalista Renata Falzoni durante a visita.

A partir de agora, as solicitações de entrada na trilha podem ser agendadas por grupos de ciclistas e caminhantes com pelo menos três pessoas, no site de ingressos da Fundação Florestal. A portaria tem vigência de 180 dias e neste período teste não será cobrada nenhuma taxa.

Durante o período, a Fundação Florestal atuará para implementação de novo projeto de sinalização da rota – tanto do percurso, quanto sinalização de conforto (altimetria, quilometragem faltante, etc), além de sinalização indicando os atrativos do percurso. A trilha ainda permite o acesso a seis possíveis ramais:

1 – Salesópolis / Caraguatatuba

2 – Salesópolis / São Sebastião

3 – Caraguatatuba / Salesópolis

4 – São Sebastião / Salesópolis

5- São Sebastião / Caraguatatuba

6 – Caraguatatuba / São Sebastião

“A visitação pública neste atrativo permite aos visitantes o contato direto com regiões mais preservadas do Parque Estadual da Serra do Mar, e é um convite à imersão no ambiente natural, um verdadeiro banho de Mata Atlântica. Oferta também a prática de atividade física em condições de alta qualidade ambiental, permitindo ao visitante se exercitar em meio ao ar puro da serra e a oportunidade de seguir pedalando até as praias do Litoral Norte.”, declarou Diego Hernandes, diretor regional da Fundação Florestal.

Para o médio prazo, a Fundação Florestal atuará para permissionar um serviço de camping e alimentação para ciclistas que desejarem se alimentar e pernoitar na trilha, realizando o percurso em duas etapas. Para o longo prazo, outros serviços estão sendo planejados pela Fundação.

“Os próximos passos são a constante avaliação do Sistema de Gestão de Segurança, a busca por parcerias com a iniciativa privada para a operação de novas modalidades de turismo de aventura.”, finalizou Hernandes.

Para quem não conhece a trilha, por conta da altimetria e do terreno, ela é indicada a ciclistas com boa experiência. São 30km sem qualquer sinal de celular, portanto é fundamental que ciclistas estejam sempre atentos, preparados, tenham cuidado e estejam com alimento, água e equipamentos para quaisquer eventualidades (como uma câmara furada, uma queda, etc). A portaria também determina que “não será permitido o carro de apoio nas descidas ordinárias e cotidianas”.

Sinta o gostinho do que é esse roteiro conferindo a reportagem do Bike é Legal durante nossa visita técnica:

Confira também a galeria com registros da nossa visita técnica no dia 12 de março de 2022:

Giuliana Pompeu

Giuliana Pompeu

Coordenadora de Comunicação da Aliança Bike e Co-fundadora da HUB Conteúdo, é jornalista e produtora. Formou-se em Comunicação Social na Faculdade Cásper Líbero em 2017, onde dirigiu o documentário Ela Pedala. Assessora e idealiza projetos que usam a bicicleta para promover cidadania, cultura, saúde e diversão. Atualmente, através da Hub Conteúdo, coordena a comunicação nas mídias sociais da Transforma.aí, do Instituto Aromeiazero, da Aliança Bike e da TK3 Track.

Entre na conversa 2 Comentários

  • Ricardo Rodrigues disse:

    Bom dia.
    Maravilhosa essa informação e a reportagem sobre a parceria da Aliança com a Fundação Florestal, e a Renata sempre otima nessas empreitadas!!
    Qual o caminho para a gente levar um grupo pequeno de ciclistas para fazer esse roteiro na estrada do Rio Pardo?
    Eu particularmente não encontrei no site da Fundação o acesso;…
    Parabens e obrigado
    Ricardo A Rodrigues