Logo
Cadeado fechado Área do associado

Pesquisa de Comércio Varejista de Bicicletas - Edição 2019

30/09/2019 12h38 - Atualizado em 30/09/2019 12h41

RESUMO DOS RESULTADOS

AMOSTRA 

- Amostra foi de 381 lojistas entrevistados, de todo o Brasil.

- Entrevistas feitas durante o Shimano Fest e a Bike Brasil (Agosto 2019).

- Da amostra, 66% das lojas estão localizadas no Sudeste, 18% no Sul, 7% no Nordeste, 6% no Centro-Oeste e 3% no Norte.

CARACTERIZAÇÃO GERAL DAS LOJAS DE BICICLETAS

- 50% das lojas de bicicletas têm mais de 10 anos de idade funcionando. 38% têm até 5 anos em funcionamento e apenas 6% têm menos de 1 ano. Ou seja, as lojas de bicicletas são longevas. 22% das lojas têm mais de 20 anos de funcionamento.

- 45% das lojas têm até 3 funcionários. 11% têm mais de 10 funcionários.

- Dos funcionários das lojas de bicicletas, 80% são registrados como CLT (ano passado eram 90%).

- 76% dos funcionários das lojas são homens.

- 93% das bicicletarias estão sob o regime do Simples Nacional.

VENDAS E FATURAMENTO

- 44% das lojas têm faturamento anual entre 100 mil e 1 milhão de reais. E 30% faturam acima de 1 milhão. Em comparação com 2018, houve crescimento médio da ordem de 5% nas lojas de faturamento acima de 500 mil por ano.

- 82% das lojas vendem até 500 bicicletas por ano. Apenas 10% vendem acima de 1 mil unidades.

- 57% das lojas vendem bicicletas de até 2 mil reais e 36% vendem bicicletas acima de 2 mil reais.

- 6% das lojas fazem a importação direta de algum produto.

- Quanto maior o faturamento médio da loja, maior a participação da venda de bicicletas inteiras.

- 44% das lojas têm, na venda de bicicletas inteiras, a base de seu faturamento. Já 29% têm nos serviços (como mecânica) a base principal de seu faturamento. E 24% das lojas fazem de tudo um pouco (vendem bicicletas inteiras, acessório e componentes e têm serviços). Apenas 3% das lojas não vendem bicicletas inteiras.

SEGMENTOS DE VENDA

- 98% das bicicletarias vendem modelos mountain bike; 82% infantis; 78% de estrada; 74% urbanas; 48% cicloturismo; 35% BMX; 33% cargueiras; 30% bicicletas elétricas. Em comparação com o ano passado, houve crescimento de 10% no número de lojas vendendo bicicletas elétricas.

E-COMMERCE

- 41% das lojas fazem e-commerce. Destas, 63% utilizam plataformas de marketplace. As plataformas mais citadas são: Mercado livre (110 lojas); Facebook (52 lojas); OLX (36 lojas); Americana.com (31 lojas); Submarino (24 lojas); Magazine Luiza (19 lojas); Instagram (15 lojas).

OUTROS SERVIÇOS E AÇÔES

- 13% das lojas fazem locação de bicicletas. Entre estas, o valor médio cobrado pela diária é de R$ 52,00.

- 80% das lojas organizam ou apoiam Grupos de Pedal. Destas, 77% organizam diretamente.

BICICLETAS ELÉTRICAS

- 30% das lojas já vendem ao menos um modelo de bicicleta elétrica (eram 20% das lojas em 2018). 

- Entre os lojistas que ainda não comercializam bicicletas elétricas, 58% afirmaram que farão nos próximos anos; 24% disseram que não e 18% ainda não sabem.

- Os segmentos de bicicletas elétricas comercializadas são: 87% das lojas têm bicicletas elétricas urbanas; 48% e-MTB; 13% dobráveis; 6% cargueiras elétricas.

- O valor médio de uma bicicleta elétrica é de R$ 5 mil. A mais cara encontrada é vendida a 40 mil reais e a mais em conta a 2,2 mil reais. 

- 50% das lojas venderam até 7 bicicletas elétricas no ano passado.

- Comparando 2018 com 2019, 64% dos lojistas afirmaram que as vendas de bicicletas elétricas cresceram, 16% que elas estagnaram e 20% que elas cairam do ano passado para este.

OPINIÃO

- Para aumentar a venda de bicicletas elétricas, mais de 80% dos lojistas disseram que a redução do preço para o consumidor final é a medida mais importante.

- E para aumentar o uso de bicicletas em geral, 94% responderam que a redução da carga tributária é "muito importante", seguido de aumento da oferta de infraestrutura cicloviária (81%), campanhas para segurança no trânsito (72%) e aumento da fiscalização ao desrespeito aos ciclistas (69%).